JESUS TE CONVIDA A PASSAR UMA HORA ESPECIAL COM ELE

Para ter uma vigília de oração constante diante do Santíssimo, precisamos assegurar-nos que em cada hora haja adoradores.

Para tanto, é necessário que cada pessoa se comprometa a tomar uma determinada hora.

Desta forma, podemos organizar todas as horas da noite, de modo que sempre haja alguém com Jesus.

A sua fé na presença de Jesus lhe ajudará a crer com convicção.

Torne-se você também um adorador (a). Faça uma experiência diante de JESUS EUCARÍSTICO

“VINDE A MIM VÓS QUE ESTAIS CANSADOS E SOBRECARREGADOS, EU VOS ALIVIAREI” (Mt 11,28).

ALEGRAI-VOS, ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS.

VINDE TODOS E ADOREMOS AO SALVADOR, JESUS SE FAZ PRESENTE NA SAGRADA EUCARISTIA, NÃO PERCA A OPORTUNIDADE DE ESTAR JUNTO A ELE. SEJA VOCÊ TAMBÉM UM ADORADOR DE JESUS CRISTO.

“A EUCARISTIA É O REMÉDIO DA IMORTALIDADE, O ANTÍDOTO CONTRA A MORTE” (Santo Inácio de Antioquia).



“A EUCARISTIA CONSISTE DE DUAS REALIDADES, A TERRENA E A CELESTE. POIS O PÃO QUE É TIRADO DA TERRA, NÃO É MAIS PÃO COMUM, UMA VEZ QUE ELE RECEBEU A INVOCAÇÃO DE DEUS E NÃO SE CORROMPE. PORTANTO, TAMBÉM NOSSOS CORPOS, QUANDO RECEBEM A EUCARISTIA, NÃO SÃO MAIS PASSÍVEIS DE CORRUPÇÃO, MAS POSSUEM A ESPERANÇA DA RESSURREIÇÃO PARA A ETERNIDADE”. (Santo Irineu, sec.II).

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

QUARESMA TEMPO DE CONVERSÃO - CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2010.


Neste ano de 2010, teremos a terceira Campanha da Fraternidade Ecumênica que terá como tema “Economia e vida”, e com o lema: “Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”. A Campanha acontece no Tempo da quaresma e visa colaborar na promoção de uma economia a serviço da vida.

Jesus nos afirma: “Nenhum servo pode servir a dois senhores: ou há de odiar a um a amar o outro, ou há aderir a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro”(Lc 16,13).

Num primeiro momento, ficamos confusos a proposta de fazer uma escolha entre Deus e o dinheiro. Se por um lado precisamos impreterivelmente de Deus, por outro lado, também precisamos do dinheiro e dos bens materiais para viver. Como compreender essa exigência de Jesus?

No contesto de Jesus se percebe que o termo “servir”, devem ser entendido no sentido de escravo. Portanto, podemos então entender assim a proposta de Jesus, ninguém pode ser servo de Deus e escravo do dinheiro. Pois agradará a um e precisará desagradar ao outro.

Para muitos, os bens materiais e a posição social são mais importantes que o cônjuge, filhos, família, saúde, etc. São verdadeiros escravos. O dinheiro é o seu absoluto, é neste sentido que Jesus utiliza o verbo servir: como sinônimo de escravo.

No Antigo testamento, a fartura de bens materiais era um sinal da bênção de Deus e a falta deles como falta dessas bênçãos. No livro de Jó percebe-se claramente este pensamento.

É muito forte a tendência da humanidade de querer possuir sempre mais e em muitos casos, são utilizados até meios ilícitos para alcançar seus objetivos.

Jesus nos dá orientações seguras para lidar com estas tendências, para que não nos afastemos de Deus e não sermos escravos do dinheiro.

A vontade do Pai celeste é que todas as famílias e todas as pessoas possuam bens materiais suficientes para viverem dignamente; que tenham conforto, trabalho, assistência médica, que tenham possibilidade de formação cultural e profissional.

Deus deu ao ser humano a capacidade de produzir, de criar e de evoluir, a fim de que todas as pessoas possam viver com qualidade de vida. Se isto não ocorre, não é por culpa de Deus. O problema é ser humano, egoísta, escravo do dinheiro, que só pensa em si.

Possuir bens materiais que favoreçam a família e seus membros a viverem com boa qualidade de vida é uma benção divina. Deus quer essa benção para todos. Se um pai de família procura adquirir dignamente com seu trabalho, os bens necessários para o bem estar de sua família, é legítimo e louvável, e é abençoado por Deus.

Uma família possuidora de bens materiais em abundância é que é livre da escravidão do dinheiro, pode usar de uma parcela de seus bens, para socorrer as famílias que passam por dificuldades. Poderia fazê-lo, não apenas em alguns momentos, mas constantemente. Deus multiplica os bens que são ofertados com generosidade e caridade aos mais necessitados.

Felizes aqueles que possuem um coração desapegado e utiliza da abundância de seus bens materiais para ajudar ao próximo.

Somos convidados a colaborar para que a economia seja voltada para o bem comum e não para o lucro desenfreado e o enriquecimento de alguns. Assim, a Campanha da Fraternidade continuará sendo um importante meio de evangelização e de propagação da palavra de Deus.

2 comentários:

SANDRA disse...

A CNBB não poderia ter escolhido tema melhor,pois o homem ao longo dos anos tem colocado Deus de lado e passado a fazer do dinheiro o seu deus e se tornado escravo deste.

JOSEANNE disse...

No começo achei um pouco estranho. mas depois ao me aprofundar vi que naõ poderia ter escolhido tema melhor para este ano''tempo''.Onde as pessoas acabam se desviando do Deus verdadeiro. Para servir a outro deus o chamado dinheiro. Exeto que nãõ existe este deus. Mas o consumismo deixa ''as pessoas cegas'' E acabam querondo servir a Deus, mas escutando o dinheiro primeiro. E não ao nosso Deus.